Aprendendo Esperar

Este blog foi criado para ser um veiculo de desabafo e registro sobre minha tragetória para alcançar meu sonho de SER MÃE.
"Katia"

" Minha Evolução Gestacional"

quinta-feira, 24 de abril de 2008

FIV Passo-a-Passo II (detalhado)



Fecundação IN VITRO (FIV)

Indicações Femininas
Disfunção ovulatória moderada a severa; Obstrução tubar; Falhas de gravidez após ciclos de IIU.

Indicações Masculinas
Déficit ligeiro da qualidade do sêmen.

Indução do crescimento folicular (hiperestimulação controlada do ovário)
Indução do crescimento folicular com a administração subcutânea das hormonas antagonista/agonista hipotalâmico e rFSH.
O crescimento folicular é monitorizado por análises sanguíneas (estradiol) e ecografias, cujos resultados também permitem ajustar as doses dos medicamentos.
Geralmente demora 1-2 semanas. Há boa resposta quando vários folículos (3-8 por ovário) atingem 17 mm.

Riscos
Síndrome de hiperestimulação do ovário (<5%).>95%) não necessita de internamento hospitalar.

Indução da maturação ovocitária e da ovulação Administração da hormona hCG ou rLH (injeção única intramuscular) quando os folículos atingem 17 mm.
Sob a sua ação, ocorre a maturação genética dos ovócitos e o crescimento final dos folículos até 20-30 mm de diâmetro.

-Aspiração dos folículos ováricos (dia 0)
Por ecografia endovaginal, até 36h após a hCG. Efetua-se sob ligeira sedação endovenosa por anestesista. É uma técnica indolor que demora cerca de 5 minutos por ovário.

-Progesterona intravaginal (dia 0) A progesterona (comprimidos vaginais) prepara o endométrio para a implantação. Na altura da transferência embrionária, o endométrio deve ter uma espessura de 12-14 mm (mínimo de 8 mm) e um aspecto trilamelar na ecografia. Os comprimidos vaginais aplicam-se de 8/8h até à 12ª semana de gravidez. Deve ser interrompida se surgir menstruação ou se o doseamento hormonal da implantação for negativo.

-Colheita e preparação dos espermatozóides (dia 0) Como IIU. Se a colheita falhar, em vez de FIV efetua-se microinjecção (ICSI), com obtenção dos espermatozóides por MESA ou TESA.

-Técnica laboratorial da FIV (dia 0)
Numa placa de cultura, colocam-se os folículos e espermatozóides (fração swim-up) numa concentração de 50.000 por folículo ou por mL. A fecundação e o desenvolvimento embrionário ocorrem in vitro numa incubadora.

Taxas médias de maturidade ovocitária, de fertilização e de desenvolvimento embrionário
As taxas médias de maturidade ovocitária, de fertilização e de desenvolvimento embrionário pré-implantação são dependentes de fatores aleatórios de índole individual (qualidade dos ovócitos e dos espermatozóides) e de espécie (70-80% dos embriões humanos possuem anomalias genéticas) e não das técnicas de RMA.

• Maturidade ovocitária: 80% dos ovócitos aspirados.
• Fecundação (12-18 h pós-inseminação ou pós-microinjecção, de dia 1: embrião de 1 célula, estádio de pronúcleos ou zigoto): 70%.
• Embriões AB ao dia 2 (com 2-4 blastômeros): 60%.
• Embriões AB ao dia 3 (com 6-12 blastômeros): 50%.
• Embriões AB ao dia 4 (64 blastômeros: mórula): 40%.
• Embriões AB ao dia 5 (250 células: blastocisto): 30%.
• Embriões AB ao dia 6 (blastocisto eclodido): 25%


Qualidade embrionária Embriões de dia 2-4
• Excelente (grau A): embriões com blastômeros de diâmetro similar e 0% de fragmentos.
• Boa (grau B): embriões com <25%>50% de fragmentos. Não devem ser transferidos, porque possuem (100%) anomalias genéticas. Embriões de dia 5-6
• Excelente (grau A): massa celular interna atinge pelo menos 2/3 do raio com ausência de células degenerativas; presença de trofoblasto contínuo e fino sem células degenerativas; presença de zona pelúcida fina.
• Boa (grau B): massa celular interna 1/3-2/3 do raio com ausência de células degenerativas; presença de trofoblasto contínuo e fino sem células degenerativas; presença de zona pelúcida fina.
• Insuficiente (grau C): massa celular interna 1/3-2/3 do raio e/ou presença de algumas células degenerativas; trofoblasto mal diferenciado (descontínuo, ou espesso ou com algumas células degenerativas); zona pelúcida espessa.
•Má (grau D): massa celular interna <1/3 70x4="2,;" 60x5="3);" 3x6="1,.">

Embriões de dia 5-6
• Excelente (grau A): massa celular interna atinge pelo menos 2/3 do raio com ausência de células degenerativas; presença de trofoblasto contínuo e fino sem células degenerativas; presença de zona pelúcida fina.
• Boa (grau B): massa celular interna 1/3-2/3 do raio com ausência de células degenerativas; presença de trofoblasto contínuo e fino sem células degenerativas; presença de zona pelúcida fina.
• Insuficiente (grau C): massa celular interna 1/3-2/3 do raio e/ou presença de algumas células degenerativas; trofoblasto mal diferenciado (descontínuo, ou espesso ou com algumas células degenerativas); zona pelúcida espessa.
• Má (grau D): massa celular interna <1/3 70x4="2,;" 60x5="3);" 3x6="1,.">

Nenhum comentário: