Aprendendo Esperar

Este blog foi criado para ser um veiculo de desabafo e registro sobre minha tragetória para alcançar meu sonho de SER MÃE.
"Katia"

" Minha Evolução Gestacional"

domingo, 13 de julho de 2008

Transferência intrauterina dos embriões

Após a inseminação dos oócitos e a cultura dos embriões, estes serão colocados, através de um cateter, dentro da cavidade do útero. Neste procedimento, os embriões entram em contato com o endométrio, membrana que reveste a cavidade do útero, e inicia-se a fase de implantação.
Para a transferência intrauterina, os embriões selecionados serão retirados da estufa e colocados num cateter, como mostra a figura ao lado. Quando retirados, eles estarão imersos num meio de cultura; o cateter é colocado dentro domeio e, sob microscopia, os embriões, ainda imersos em meio de cultura, são aspirados

A figura mostra um embrião humano no terceiro dia de cultura em laboratório. Ele é constituído por células derivadas de divisões do oócito (óvulo) fertilizado, chamadas blastômeros. Nesta figura, aparecem seis blastômero envolvidos pela mesma membrana que envolve o oócito, chamada zona pelúcida.
Estando a paciente em posição ginecológica, é colocado um cateter que irá até o fundo do útero. Em seguida, por dentro deste cateter, é colocado aquele que contém os embriões. Estando o conjunto em posição, os embriões serão injetados para dentro da cavidade uterina, onde devarão implantar.

O embrião ao lado, também no terceiro dia de cultura em laboratório, apresenta inúmeros fragmentos (restos de células mortas) e seu potencial de implantação é menor que o embrião que não tem fragmentos. De fato, umdos critérios de avaliação da probabilidade de implantação do embrião é a fragmentação: quanto maior, menor a chance de implantação.


A transferência traz a possibilidade de implantação dos embriões no endométrio. O embrião transferido (1) se liga à camada superficial do endométrio (2) e, através de um mecanismo bioquímico ainda não completamente elucidado, penetra no endométrio. Nesta ocasião, o beta-hCG produzido pelo embrião atinge a circulação materna e pode ser mensurado no sangue da mãe (teste de gravidez). Embora sejam utilizados medicamentos que aumentem a probabilidade de implantação (como a progesterona, por exemplo), ela não ocorrerá em todas as vezes. Assim, a gravidez pode não acontecer em uma tentativa de fertilização in vitro.

Este embrião apresenta 4 blastômeros no terceiro dia de cultura. A velocidade das divisões celulares determina o número de blastômeros e, dentro de certos limites, quanto maior o número de blastômeros maior a probabilidade de gravidez. Assim, este embrião, embora possa implantar, tem chance menor que o de seis blastômeros.

Nenhum comentário: